19 Sep 2019 01:15
Logo Lêaí

Igrejinha 55 anos - O que pensam os seus moradores Igrejinha

igrejinha-55-anos---o-que-pensam-os-seus-moradores-igrejinha-1

Foto: Dário Gonçalves

“Igrejinha é uma cidade em constante evolução e crescimento, sempre trazendo a modernidade.” Essas são palavras de Leilane Aline Faiffer, de 33 anos, recepcionista e Igrejinhense de nascença, e daqui nunca saiu. Ela ama a cidade onde nasceu, cresceu e escolheu permanecer, principalmente o que Igrejinha se tornou “organizada, limpa e com uma ótima gestão”, comenta.

igrejinha-55-anos---o-que-pensam-os-seus-moradores-igrejinha-2

Leilane. Foto: Arquivo pessoal

Com bons olhos, ela vê vários pontos positivos na cidade, como na saúde, consultas, exames e especialidades, “tudo melhorou”.

“Vejo a nossa cidade como uma cidade em crescimento. Sempre buscando o melhor para a população, sempre inovando. A organização da cidade está perfeita, linda, limpa”, afirma.


Já de negativo, as críticas ficam por conta da própria comunidade. Segundo ela, a população não colabora com o patrimônio do município e “só reclama, sem valorizar as benfeitorias”.

Para o futuro, ela espera que a população reconheça tudo que já foi feito e ajude na conservação dos mesmos, “possibilitando que, assim, a gestão possa trazer mais inovações”. E finaliza pedindo mudança no pensamento das pessoas e mais valorização para a cidade.

igrejinha-55-anos---o-que-pensam-os-seus-moradores-igrejinha-3

Foto: Dário Gonçalves

Cleiton Bohrer, 45 anos, é empresário na área da construção civil, é outro que nasceu e cresceu em Igrejinha. A cidade foi uma escolha de seus pais, e ele é grato por isso. Ele vê em igrejinha, uma cidade em constante evolução. “Um lugar bom pra morar, com um povo trabalhador e humano”, conta.

Seus pais vieram do Distrito de Moreira, interior de Gramado, para Igrejinha em 1965 devido à oportunidade de trabalho. “Na época, eles trabalhavam na agricultura. Meu pai, João Bohrer (in memoriam) em uma metalúrgica e minha mãe, Selma Nazira Bohrer, em uma empresa calçadista. E desde então, constituíram residência em igrejinha.

igrejinha-55-anos---o-que-pensam-os-seus-moradores-igrejinha-4

Cleiton. Foto: Arquivo pessoal

Ele nota que, principalmente nos últimos anos, a cidade tem evoluído muito, quando se trata de “bem estar, lazer e saúde”, e, principalmente, em educação. “Povo com educação é um povo "rico"”, destaca.

Para ele, o espírito de doação voluntária poderia receber um olhar mais atencioso de quem esta no comando da cidade. Pois, de acordo com ele, Igrejinha tem um povo muito dedicado ao voluntariado.

E por fim, deseja que Igrejinha e seus moradores continuem sempre em frente, com os pés no chão, para que cada vez mais “nos tornemos um município forte e unido”.

igrejinha-55-anos---o-que-pensam-os-seus-moradores-igrejinha-5

Foto: Dário Gonçalves

Dinaura Camacho, tem 40 anos é Coach de Inteligência Emocional e vive em Igrejinha há 13 anos e, segundo ela, ama a cidade que escolheu em abril de 2006. “Igrejinha foi a cidade na qual combinava com meus planos de vida, que era construir minha família e trabalhar na minha área”. Ela é também Designer de Calçados.

O lado bom de Igrejinha para Diunara, é que geograficamente, é perto de tudo. As pessoas se conectam, “olham nos olhos!”, e existe uma responsabilidade social na cidade. Aqui ela se sente segura em morar e andar pelas ruas.

igrejinha-55-anos---o-que-pensam-os-seus-moradores-igrejinha-6

Dinaura. Foto: Arquivo pessoal

Por outro lado, ela crê que poderia ter transporte público, uma linha circular entre bairros. “Poderia ter uma atenção em estabelecer Igrejinha como referência em calçados femininos, possibilitando mais empregos e gerando mais recursos para a cidade.”. Afirma.


Para o futuro, ela quer poder contar para o mundo que pode dar certo viver em sociedade, “eu acredito em um futuro próspero para Igrejinha”. Ela também quer mais empregos na área da Indústria e também que a cidade se torne ponto turístico, “ligado à saúde e bem estar, aplicando técnicas ou terapias na natureza, que é riquíssima nossa região”, finaliza.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Destaques


Cidades 8 horas atrás

Caso Heineken: o que dizem as duas prefeituras

Disputa judicial pelos impostos da empresa dura quatro anos [...]

Geral 1 dia atrás

Governo reduz tarifa de importação de equipamentos médicos

Depois de zerar impostos de medicamentos que combatem AIDS e câncer, o mesmo acontece com equipamentos médicos [...]

Cotidiano

Cotidiano 3 semanas atrás

Feiras movimentam Igrejinha e Parobé

Eventos ocorreram no último domingo nas duas cidades [...]

Cotidiano 1 mes atrás

Sine de Sapiranga é referência em atendimentos na região

Atendimentos ocorrem de segunda a sexta das 7 às 16hs [...]